Alta frequência de genótipos variantes de RHD entre doadores e pacientes de origem mista com sorologia fenótipo-D fraco.

Publicado em em
Imagem ilustrativa Hemoglobinas

Alta frequência de genótipos variantes de RHD entre doadores e pacientes de origem mista com sorologia fenótipo-D fraco.

Introdução: A atual política de transfusão recomendada para indivíduos com fenótipo sorológico D-fraco é baseada em dados derivados de populações descendentes de europeus. Dados referentes à distribuição dos alelos RH subjacentes ao fenótipo D fraco entre pessoas de origem mista ainda são incompletos, e a aplicabilidade de diretrizes de transfusão baseadas na Europa para essa população específica é questionável.

OBJETIVO: Avaliar a distribuição do genótipo variante RHD entre indivíduos com fenótipo sorológico fraco-D de descendentes africanos e europeus.

MÉTODOS: Doadores e pacientes de origem mista e com fenótipo sorológico de D fraco foram selecionados para o estudo. Eles foram investigados usando ensaios RHD-PCR convencionais e sequenciamento direto da região codificadora de RHD.

RESULTADOS: Cento e seis doadores e 58 pacientes foram incluídos. Havia 47 doadores e 29 pacientes com genótipo parcial-D (47/106, 44,3% e 29/58, 50%, respectivamente). RHD * DAR e RHD * tipo D fraco 38 representaram os alelos RHD alterados mais comuns entre os doadores (frequência conjunta de 39,6%), enquanto os tipos D fracos 1-3 repJournal_of_Clinical_Laboratory_Analysis representaram 10,4% do total de amostras variantes de D. RHD * DAR foi o alelo mais comum identificado no grupo de pacientes (freqüência de 31%), e os tipos D fracos 1-3 representaram 29,3% do total.

CONCLUSÃO:
A frequência de D parcial entre indivíduos mistos com fenótipo sorológico D-fraco é alta. Eles devem ser tratados como pacientes D-negativos até que os testes moleculares estejam completos.

COMENTÁRIO: Esse trabalho confirma a grande importância da utilização das técnicas de Biologia Molecular nas rotinas de Imunohematologia no Banco de Sangue.

Leia o artigo na íntegra:

Journal_of_Clinical_Laboratory_Analysis

Doutora Cecília Alencar ²

Dezan MR1, Oliveira VB1, Gomes ÇN1, Luz F1, Gallucci AJ1, Bonifácio SL1, Alencar CS2, Sabino EC3, Pereira AC4, Krieger JE4, Rocha V1,5,6, Mendrone-Junior A1, Dinardo CL1,2 1 Immunohematology, Fundação Pró-Sangue Hemocentro de São PauloSão Paulo, São Paulo, Brazil 2 Laboratório

Compartilhe