PCR na detecção rápida da febre amarela

Publicado em em
PCR na detecção rápida da febre amarela

PCR na detecção rápida da febre amarela

Com indícios de uma iminente epidemia de febre amarela no país, a rápida detecção de novos casos torna-se fundamental para um controle eficaz da doença. Uma parceria entre o Instituto Koch, da Alemanha, e a ThermoFisher, resultou em uma tecnologia capaz de processar resultados mais precisos, com maior eficácia e tempo recorde de resultado até então.

Por meio da utilização de PCR em Tempo Real, a tecnologia, que já é utilizada há algumas décadas no mercado, foi, nesse caso, personalizada para detectar especificamente o genoma do vírus da febre amarela.

A partir de uma amostra de sangue da pessoa, extrai-se o RNA, que contém a possível molécula do patógeno. Se houver contaminação, o reagente identifica apenas o genoma do vírus, isolando o genoma humano.

“A detecção não é visual ou por meio de anticorpo, é simplesmente pela presença do genoma do patógeno”, resume Eduardo Castan, especialista em treinamentos da ThermoFisher no Brasil.

Atualmente, o método ELISA é ainda o mais utilizado na identificação da presença do vírus.

Entretanto, além dos resultados demorarem até 14 dias para serem processados, pode gerar falsos negativos, pois é necessário que a pessoa tenha a infecção em estágio avançado, após o início ou término dos sintomas, uma vez que a detecção é feita pelos anticorpos produzidos pelo organismo para combater o vírus na pessoa, ou seja, é uma detecção indireta do processo.

“Se a amostra de sangue tiver sido coletada antes do início da produção dos anticorpos, provavelmente a sorologia não fará a correta identificação. Ao contrário do método PCR em Tempo Real, que permite uma detecção mais específica, mais sensível, mais rápida e em menor estágio de desenvolvimento da doença, ou seja, com a carga viral mais baixa”, informa Castan.

Em cerca de três ou quatro dias após a picada, o vírus já poderá ser encontrado no organismo.

Após ter a sua eficácia comprovada pelo instituto alemão, o painel desenvolvido pela ThermoFisher já está disponível para ser utilizado comercialmente em laboratórios.

A ideia inicial do Instituto Koch, que começou há um ano, era estruturar uma biblioteca científica com resultados validados em laboratórios na América Latina, em países com o foco da doença.

No Brasil, os laboratórios que usarão os painéis são o Instituto Evandro Chagas e o Instituto Carlos Chagas/Fiocruz, onde no momento acontecem os testes de validação para serem publicados.

Pela América Latina, os laboratórios que estão trabalhando com o kit de ensaios são Equador, Paraguai, República Democrática do Congo e Peru.

Compartilhe